VÍCIOS DE LINGUAGEM: INIMIGOS DE UMA BOA AULA

Uma boa comunicação, com uma linguagem clara e compreensível, são indispensáveis para uma boa aula!
Assim sendo, devemos ter um cuidado redobrado com a maneira com que nos comunicamos com os nossos
alunos, eliminando os eventuais vícios de linguagem. Mas, o que são vícios de linguagem? Vejamos:
Vícios de Linguagem, segundo as professoras Marina Cabral e Cristiana Gomes, são alterações defeituosas
das normas da língua padrão, provocadas por ignorância, descuido ou descaso por parte do falante. Os vícios
de linguagem se classificam em:
 Barbarismo: desvio da norma quanto à:
a) Grafia: proesa em vez de proeza;
b) Pronúncia: incrustrar em vez de incrustar;
c) Morfologia: cidadões em vez de cidadãos;
d) Semântica: comprimentar em vez de cumprimentar
e) Todas as formas de estrangeirismo são consideradas, por diversos autores, barbarismo.
Exemplo: weekend em vez de fim de semana.
 Arcaísmo: emprego de palavras ou estruturas antigas que deixaram de ser usadas. Ex: Vossa Mercê
em vez de você.
 Neologismo: emprego de novas palavras que não foram incorporadas pelo idioma. Exemplos: deletar;
escanear; clicar; linkar; site; showmício; mimimi; bioterrorismo e etc.
 Solecismo: erros de sintaxe contra as normas de concordância, de regência ou de colocação.
a) Concordância: Sobrou muitas vagas (em vez de sobraram).
b) Regência: Hoje assistiremos o filme (em vez de ao filme).
c) Colocação: Me empresta o carro? (em vez de empresta-me)
 Ambiguidade: ocorre quando uma frase causa duplo sentido de interpretação. Exemplo: O ladrão
matou o policial dentro de sua casa. (na casa do ladrão ou do policial?).
 Cacófato: refere-se ao mau som que resulta na união de duas ou mais palavras no interior da frase.
Exemplo: Nunca gasta com o que não é necessário.
 Eco: ocorrência de terminações iguais. Exemplo: Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão.
 Pleonasmo: redundância desnecessária de informação. Exemplo: Está na hora de entrar pra dentro.
 Colisão: Aproximação de sons consonantais idênticos ou semelhantes. Exemplo: Sua saia saiu suja
da máquina.
 Hiato: Aproximação de vogais idênticas. Exemplos: Traga a água; Trago o ovo.
 Preciosismo: Exagero da linguagem. Exemplo: “Na pretérita centúria, meu progenitor presenciou o
acasalamento do astro-rei com a rainha da noite”. (ou seja: No século passado, meu avô presenciou
um eclipse solar.)
É muito comum cometermos vários dos vícios citados. O pior é que, muitas vezes, não nos damos conta de
que estamos errando! Uma boa dica para evitar esses erros é gravar a aula, ouvi-la pausadamente, e fazer
uma análise autocrítica. Outra dica é prestar atenção às reações dos nossos alunos enquanto estamos
ministrando a aula.
Devemos sempre utilizar uma linguagem acessível e correta. Se assim o fizermos, seremos compreendidos
pelos alunos, e alcançaremos os objetivos que nos propusermos alcançar.
Boas aulas!

Pr. Fábio Magalhães
Setor 116 – SP.

Fabio Magalhães

Fabio Magalhães


Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *