Famílias cristãs são alvo principal do Boko Haram, em Camarões

Cristãos escapam com vida de sequência de ataques feitos pelos terroristas do Boko Haram no país africano.

Cerca de 200 famílias foram obrigadas a fugir de suas vilas por investidas de militantes islâmicos do Boko Haram. O grupo entra nos lugarejos para saquear e matar os moradores cristãos.

As localidades mais atingidas pelos ataques são cristãs que ficam na Região Norte de Camarões. A última investida dos terroristas aconteceu em 10 de julho.

Na sequência de vários ataques anteriores feitos pelo Boko Haram na área, as famílias foram dormir no mato para se proteger. O grupo armado invadiu a aldeia Roum, localizada no distrito de Kiiki região central do país africano. Eles incendiaram casas, mataram o gado e saquearam lojas de alimentos e bens.

Um contato disse que os moradores perderam tudo e agora estão se refugiando em uma escola local. Ele estima que em torno de 1.120 famílias na área foram “viver em perigo” após os ataques destrutivos em Roum feitos pelo Boko Haram.

Outras aldeias também foram vítimas dos terroristas, como Goldavi, nos dias 5 e 10 de julho e Zeleved Amchide em 11 de julho.

“As populações perderam todos os estoques de alimentos, roupas, conjuntos de dormir e muitos outros bens materiais e animais. Esses ataques levaram medo, psicose, trauma e pânico entre as pessoas”, segundo informou testemunha ao Barnabas Fund.

Ele acrescentou que o impacto do ataque é particularmente devastador por causa do tempo que leva para chegar ao trabalho. É também o momento em que muitas estradas se transformam em lama, e as forças de segurança são menos móveis.

Aldeias cristãs no extremo norte dos Camarões estão sujeitas a ataques das milícias Boko Haram que tentam estabelecer um califado islâmico do nordeste da Nigéria até o norte de Camarões, que é predominantemente cristão.

Mais de 170.000 camaroneses, principalmente cristãos, já foram obrigados a fugir de suas casas por causa do Boko Haram.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO BARNABAS FUND

Aguinaldo Lopes

Aguinaldo Lopes


Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *