CPAD comemora 80 anos de fundação

No dia 13/03, a Casa Publicadora das Assembleias de Deus comemorou 80 anos de sua fundação. O Culto de Celebração foi realizado no sábado (14) durante o 3º Congresso Nacional de Evangelização e Educação Infantojuvenil que aconteceu na Assembleia do Belém, em São Paulo. Para a comemoração líderes e pastores de todo o Brasil, além de autoridades civis e políticas estiveram presentes.

A história da CPAD começa, oficialmente, em 13 de março de 1940, quando foi organizada juridicamente no Rio de Janeiro. Antes disso, na década de 30, já circulavam o jornal Mensageiro da Paz (MP), as revistas “Lições Bíblicas” e alguns livros e folhetos, que eram publicados em gráficas particulares. 

O primeiro registro do sonho de se fundar uma Casa Publicadora consta nas atas da Assembleia Geral da CGADB, realizada na AD de Belém do Pará, em 1936. Na ocasião, o missionário Nils Kastberg apresentou a proposta da Casa. O desejo de possuir oficinas gráficas próprias também foi registrado no jornal Mensageiro da Paz, em 1938, na coluna do jornalista Emílio Conde.

Em 1940, o presidente Getúlio Vargas exigiu, através de um decreto, que todos os jornais fossem registrados no Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), órgão que regulava a imprensa. O decreto estabelecia também que somente entidades com personalidade jurídica poderiam possuir jornais. Visto isso, para não ter que interromper a veiculação do jornal Mensageiro da Paz, o missionário Samuel Nyström, então pastor da Assembleia de Deus em São Cristóvão (RJ), pediu ao presbítero Lauro Soares que providenciasse a elaboração de um estatuto de uma Casa Publicadora e que fizesse o seu devido registro em cartório. Feito isso, nasceu a CPAD que se tornou a proprietária do Mensageiro da Paz.

No ano de 1946, a gráfica que imprimia o jornal MP estava para ser desapropriada. Por esse motivo, a CGADB lançou a “Campanha do Milhão” em favor da Casa para a aquisição de uma máquina tipográfica. Outra medida tomada pela Convenção Geral foi o estabelecimento do dia 7 de setembro de cada ano como o “Dia da Casa Publicadora”, ocasião em que as Assembleias de Deus de todo o país recolhiam ofertas especiais para a CPAD. Foi isso que fez com que por muitos anos a editora pudesse se manter, apesar das muitas demandas e dificuldades que foram surgindo.
Em janeiro de 1949, o Mensageiro da Paz passou a ser impresso pela editora em suas próprias impressoras. Já na década de 1960, a grande conquista foi a inauguração da sede da CPAD na Estrada Vicente de Carvalho (zona norte do Rio de Janeiro), onde permaneceu por 22 anos. Em 1977, foi lançada a revista “O Obreiro”, terceiro periódico da Casa, destinado à edificação de ministros e oficiais das Assembleias de Deus e, em 1978, começou a circular a revista “Jovem Cristão”, primeiro periódico totalmente em cores lançado pela CPAD.

Com o passar dos anos e a chegada da década de 1990, a Casa ainda tinha uma presença muito tímida no mercado editorial evangélico brasileiro para uma editora que representa a maior denominação evangélica do país. A partir desse momento, uma nova postura foi adotada: transformar a Casa Publicadora numa editora moderna.

Em 25 de janeiro de 1992, a Casa Publicadora foi transferida para Bangu (zona oeste carioca) e, em 4 de março de 1993, Ronaldo Rodrigues de Souza, administrador de empresas e publisher, foi empossado diretor executivo da CPAD. A partir desse ano até hoje, a CPAD entrou em um período sólido de prosperidade administrativa, editorial e financeira que nunca experimentara em toda a sua história, tornando-se a maior editora evangélica da América Latina. E para atender aos países de fala hispânica e aos latinos morando nos EUA, a CPAD fundou, em 1997, a Editorial Patmos, seu braço editorial internacional com sede na Flórida.

No final do ano 2000, foi inaugurado um moderno prédio administrativo e editorial no mesmo terreno em Bangu para melhor acomodar a crescente equipe. Nesses últimos anos, a editora adquiriu novas filiais – ao todo,são 17 lojas – e as modernizou, aproximando-se mais dos clientes e proporcionando conforto a eles. A intenção atual da Casa é implantar uma filial em cada estado do Brasil e mais uma na África, que hoje tem uma loja em Moçambique.

Ao longo desses 80 anos, a CPAD tem se destacado como a editora da Escola Dominical e se dedicado a servir a servir a Assembleia de Deus com o melhor da literatura cristã, com vasto material literário, entre livros, Bíblias e revistas de Escola Dominical. A Casa promove também grandes eventos como Cimad, Impactar e Liderar, Crente Bom de Bíblia, além de congressos e conferências de Escola Dominical em todas as regiões do Brasil, visando a ampla divulgação e proclamação do Evangelho de Cristo. Além disso, sempre esteve presente em diversas comemorações que fazem parte da história da igreja brasileira, como o Centenério da AD no Brasil, comemorado em 2011, e os 500 anos da Reforma Protestante, em 2017.

Na área da comunicação, além do Jornal Mensageiro da Paz, a CPAD publica periódicos voltados para obreiros, professores de Escola Dominical, jovens, e ainda o site Mulher Cristã, específico para o público feminino, o Portal de Notícias CPAD News e a gravadora CPAD Music. O projeto mais recente da Casa foi inauguração da TV CPAD, em 2018, com conteúdos exclusivos voltados para o povo evangélico.

Com informações CPAD Web / Fotos: CEMP / Fabio Rubemar

Aguinaldo Lopes

Aguinaldo Lopes


One comment

  • Avatar
    Sérgio jesuel Barbosa

    16 de março de 2020 at 11:55

    Jornal do setor tem sido bênção pois assim temo nos mantido informado com os acontecimetos tais como eventos Deus abençoe os coordenadores do jornal

    Reply

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *